Segunda, 25 de Janeiro de 2021
89 999900379
Política FACILITARÁ

W. Dias quer prorrogação do estado de calamidade pública no Brasil por mais seis meses

Prazo em que poderá ter imunização dos brasileiros contra o novo coronavírus

17/12/2020 18h43
Por: Redação Fonte: CCom
W. Dias quer prorrogação do estado de calamidade pública no Brasil por mais seis meses

O governador Wellington Dias, representando todos os governadores do Brasil, pediu, nessa quarta-feira (16) aos presidentes da República, Jair Bolsonaro, do Senado Federal, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a prorrogação do estado de calamidade pública no Brasil por mais 180 dias, prazo em que poderá ter imunização dos brasileiros contra o novo coronavírus.

Segundo o chefe do Executivo piauiense, o estado de calamidade facilitará a manutenção da rede de auxílios e proteção, visto que os casos da Covid-19 têm crescido em muitos lugares, alguns em situação de colapso e aumento de óbitos. Wellington Dias, que é o coordenador da temática “Estratégia para vacina contra Covid-19” no Fórum Nacional de Governadores, também solicitou ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a antecipação da vacinação para janeiro de 2021, que poderia ser feita por meio de aquisição de vacina do laboratório Astrazeneca, da Pfizer, e de outras do Consórcio Covax Facility.

De acordo com o governador do Piauí, 15 milhões de doses poderiam ser produzidas pela Fiocruz, 70 milhões seriam da fabricante Pfizer, além de outras 15 milhões do Instituto Butantã, que produzirá a vacina Coronavac, e seis milhões da União Química. “Tais medidas ensejariam a execução de todas as fases do processo de imunização ainda no primeiro semestre de 2021, garantindo a conclusão da primeira e da segunda fase para mais de 70% da população”, afirmou Dias. Durante a execução do Plano Nacional de Imunização, os governadores propõem várias medidas, como a implantação de uma equipe multidisciplinar em cada Unidade da Federação para acompanhar e monitorar pacientes que tivessem efeitos adversos após a vacina. “Isso poderia ser feito de modo presencial ou pela telemedicina, a exemplo do que está sendo feito por meio das ferramentas Monitora Covid e Conecta Sus”, acrescentou.

Outra ação seria a criação de limite do transporte da vacina e insumos de até 700 quilômetros, para agilizar a aplicação. O Fórum também quer o início o mais rápido possível do treinamento das equipes de vacinação sobre a aplicação e ainda o acompanhamento do paciente na primeira e segunda doses. “Eu conversei ontem com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, e ele disse que está acompanhando em Brasília o desenrolar do nosso pedido”, concluiu o governador do Piauí.